Quem sou eu

Minha foto

         Aroldo Filho é Historiador, Literato, Letrista, Professor, Blogueiro, Jornalista Independente, Segurança, Vendedor, já foi Gerente de Vendas e às vezes é Humorista, também já foi Ator Amador  (Representando figuras do folclores católico, tais como Jesus Cristo, Rei-Mago Baltasar, Padre do livro "Os verdes abutres da colina" e São Vicente de Paula além de outros personagens em peças de escola).
           3º Lugar no concurso de desenho "O Pacoti Visto por suas crianças" (1997)

             Criador do Jornal "VISART", que resgatou em 2018 com o nome atualizado para "Jornal Visarte" (2002)

            1º Lugar em Auto de Natal no Estado do Ceará, atuando na ocasião como o Rei-Mago Baltasar (2004).

            Criador, Idealizador e Presidente do Jornal Delfos-CE (2007).

            Ministrou aulas de História, Geografia, Arte, Religião e Ciências em Pacoti e em Guaramiranga, no Colégio São Luís, na Escola Menezes Pimentel, na Escola Linha da Serra e na Escola Monteiro Lobato (entre 2008 a 2017).

            Criador e Idealizador da Associação Cultural SEMPRE-Segmento dos Estudiosos da Memória e Patrimônio Regional da Serra de Baturité (2008). 

              Criador e Idealizador do 1° Arquivo Público do Interior do Nordeste (2009).

              2° e 4° lugares, consecutivamente, no 1° e 2° concursos de poesia da comunidade do Orkut "Vamos Escrever um livro?"(2009 e 2010).
               Criador da exposição histórica: "PACOTI: UMA HISTÓRIA EM DOCUMENTOS", aprovado pelo Banco do Nordeste (2010). 
                 Formou-se em Licenciatura Plena em História (2010).
                 Sócio do Instituto Desenvolver (2011).
Trabalhou para o Governo do Estado do Ceará como pesquisador no Porto do Pecém (2011). 
                  2° Lugar em concurso de pensamento na comunidade "Grupo de Poesia" no Facebook (2012).
                  Participa como um dos autores dos e-books "Por onde andei?" e "Quem sou?" realizados pelo Balcão de Poemas, edição de Wasil Sacharuck.

                 Concluiu Pós-Graduação em Gestão Escolar (2016)

                   Recebeu a Comenda Domitila por Mérito Literário, da SECULDT-Secretaria de Cultura, Turismo e Desporto de Pacoti & Prefeitura Municipal de Pacoti  (2016).

                     Passou 3x seguidas no "Concurso Nacional Novos Poetas" da Editora "Vivara". (2016, 2017 & 2018).

                      Passou 2x seguidas em seleção de poesias da Revista Gente de Palavra. (Fevereiro & abril de 2018. 

Seguidores

sexta-feira, 19 de junho de 2009

LEI

Numa das partes mais profundas do cérebro fica uma glândula responsável pelo sentido de vingança que, quando ativada, liga, por assim dizer, a glândula geradora de prazer, tamanha a sua proximidade, liberando uma substância química, gerando uma sensação de bem-estar.

Mas o que teria isso a ver com a criação da lei? Tudo. Uma vez que a lei existe para punir, sendo isso um modo de vingança, podemos afirmar que a a lei, ou seja, o sentido de justiça, causa um sentimento de bem-estar, embora que os malfeitores nada nos tenham feito e ainda que não sejamos nós a julgá-los.

Muitos não têm o sentido do prazer tão ativo, geneticamente, então, procuram ativá-lo pela glândula da vingança. O problema é que, tanto podem ser as pessoas mais certinhas, seguidoras de toa a lei, como o oposto, o pior dos bandidos. Mas, uma certaza temos, eles não serão normais, em outras palavras, ou seguem a lei ao pé da letra ou buscam sempre múltiplas formas de burlá-la.

Tanto causa prazer vingar-se que as pessoas com o distúrbio de pouca liberação de adrenalina, por vezes, fazem de tudo para serem "agredidas" somente para poderem se vingar. Mentem mais facilmente e são frias e calculistas. Entretanto, essa pessoas são as mesmas que viram os "heróis", como bombeiros e policiais que se arriscam mais que os outros.

Já quem sofre do distúrbio da liberação exagerada de adrenalina seguirá a lei, pois estará sempre com medo. O problema é que a mesma adrenalina que causa, por exemplo, a síndrome do pânico, é responsável pelo sentimento de ódio. Por tanto, pessoas com esse distúrbio podem, em excesso de ira, ficar incontroláveis. Dificilmente serão corajosas, frias e calculistas como quem sofre do distúrbio contrário.

A lei existe para assegurar alguém no poder e, por vezes, os dominar são enganados por ela, deixando mais forte as elites. Isso se dá por que um povo regido por uma lei forte tem o senso de segurança elevado, ainda que não haja segurança alguma. Para se manter no poder é preciso brincar com a lei, iludindo as massas e persuadindo seus opositoress, como fizeram: Átila, Aníbal, os césares, Hitler, Stalin, Mussoline, Viriato, Napoleão, o conde Vladimir, Mao-Tse-Tung, Getúlio Vargas, Juscelino, Dom Pedro e tantos outros ainda o fazem.

O homem é "um animal sentimental", como diria a banda Legião Urbana, movido por ódio, amor, e acima de tudo, por amor ao ódio, uma vez que o ódio e o poder são amantes da lei, nela emaranhados. Poder e ódio se alimentam no mesmo prato: a vingança, que tanto dá prazer como alivia o acúmulo de adrenalina no sangue. A vingança é a origem da lei.

AROLDO FILHO
Pacoti-Ceará
23/05/2009
3h e 32 min

Nenhum comentário:

Postar um comentário